"Pedras no caminho? Guardo-as todas, um dia vou construir um castelo... " Fernando Pessoa

29
Out 08

Foto de Natasha Lyonne

Perdi-me na noite, na escurdião que me corroi. Olhei à volta e só vi aqueles que me abandonam constantemente, aqueles para o qual não sou nada.

Senti-me um menos, senti-me perdida. Pensei que era, realmente, aquilo que os outros me faziam.

Não chorei. Não verti uma única lágrima. Apenas tudo em mim se fechou, como uma flôr que murcha de tristeza. Tal como ela, senti a dor de perder a vida. Senti cada suspiro, como se fosse o último.

Mas...era eu assim tão fraca? Uma marioneta nas mãs alheias à minha dor?

...

Parei. Olhei-me a um espelho. E vi. Olhei no fundo do meu ser e vi que ainda há vida dentro de mim. Continuo viva, miraculosamente.

Sorri. Não por estar viva, mas, sarcásticamente, por ter deixado que eles, aqueles pobres seres, tomassem controlo sobre mim. Eu, aquela idealista sonhadora que tinha mil e um planos. Aquela que, agora, deixou de sonhar. A vida, sempre ela, tão irónica... E eu tão manipulada. Como? Como me deixei ser roubada assim de mim?

Mas, quem és tu, ser menor, ser mesquinho, para me trair assim? Sim, trais-te a minha amizade, ao revertê-la em submissão.

Libertei-me das amarras do esquecimento. Sim, esquecida... Fiquei esquecida a um canto como um briquendo ocasional num quarto desarrumado de um menino mimado. Mas libertei-me. E desapareci. Desapareci como era, como fiquei conhecida, como me tornaram.

Mas que leve é ser livre. Como é bom ser eu outra vez.

Passas agora por mim de cara fechada. Perdes-te o teu brinquedo. Mas, porquê tanto aborrecimento? Nem eu era assim tão importante, nem tu tão bom no que fazes, afinal...

...

Eu tenho sonhos. Eu tenho amigos. Eu tenho um brilho no olhar. Porque hoje, depois de tanto tempo, sou EU, e não apenas a tua "amiga ocasional", ou melhor, o teu "brinquedo ocasional".

E tu, o que tens? Não quero saber. Para mim hoje és um grande nada, e eu sou tudo. E eu incluo em mim todos aqueles que nunca me deixaram só. Aqueles que me ouviram por horas e horas, porque tu me apunhalavas com a tua indiferênça e aproveitavas para o fazer da forma mais dolorosa possível.

Já não és importante. Já não és nada. Doi não ser nada, não doi?

Pois...eu já não sei o que é ser isso.

...

Trago em mim todos os sonhos, todos aqueles que me fazem feliz. Sempre estiveram comigo, somente não os consegui ver nem sentir.

Inicia-se agora o grande projecto da minha vida. E preciso de força vontade. Mas eu vou conseguir. Eu sei que vou. Já fui fraca e frágil durante muito tempo. Está na hora de ser forte, decidida... Está na hora de ser quem eu quero ser e fazer o que eu quero fazer.

Vai ser uma longa jornada. E posso até não estar totalmente motivada. Mas eu sei que depois de tudo, a minha vida só pode melhorar. E eu sou a única que posso conseguir isso.

...

Peço desculpa, mas a "amiga ocasional" foi de férias...vitalicias! Deixem mensagem. Pode ser que vos responda, deixa cá ver...NUNCA!! hehehehehehe E já agora, esta será a última vez que vocês, que me fizeram tanto mal, serão mencionados. Já não há espaço para lixo na minha vida...

publicado por Quem ontem fui já hoje em mim não vive às 00:24
sinto-me: Viva!!!!!!
música: Irreplaceable - Beyoncé

comentário:
tu nem sabes a alegria k tive em ler este post...
finalmente acordas-t e viste quem realmente es e quanto o k vales...
cada vez mais te admiro e es a melhor amiga que alguem pode ter...
acho que o chego o momento em t dizer isto, pois é o que sinto:
AMO-TE como amiga e jamais sairas do meu coração...
Tou tão feliz por ti... :)
bjs
rita
rita a 3 de Novembro de 2008 às 21:26

Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17

20
21
22
23
24
25

26
27
28
30


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

5 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

As minhas Imagens favoritas
blogs SAPO