"Pedras no caminho? Guardo-as todas, um dia vou construir um castelo... " Fernando Pessoa

17
Jun 09

 

"Um menino olhava para a avó a escrever uma carta. A certa altura, perguntou:

    - Estás a escrever uma história que aconteceu connosco? E, por acaso, é uma história sobre mim?

A avó parou de escrever a carta, sorriu e comentou com o neto:

    - Estou a escrever sobre ti, é verdade. No entanto, mais importante do que as palavras, é o lápis que estou a usar. Gostava que tu fosses como ele, quando cresceres.

O menino olhou para o lápis, intrigado, e não viu nada de especial.

    - Mas ele é igual a todos os lápis que vi na vida!

    - Tudo depende do modo como tu olhas para as coisas. Há nele cinco qualidade que, se as conseguires manter, farão de ti uma pessoa sempre em paz com o mundo.

    »A primeira qualidade: tu podes fazer grandes coisas, mas nunca te deves esquecer de que existe uma Mão que guia os teus passos. A esta mão chamamos Deus, e Ele deve sempre conduzir-te em direcção à Sua vontade.

     »A segunda qualidade: de vez enquando, é preciso parar de escrever e usar o afia-lápis. Isso faz com que o lápis sofra um bocado, mas deixa-o mais afiado. Portanto, aprende a suportar algumas dores, porque elas farão de ti uma pessoa melhor.

     »A terceira qualidade: o lápis permite sempre que usemos uma borracha para apgar aquilo que está errado. Percebe que corrigir uma coisa que fizemos não é necessarieamente mão, mas importante para nos manter no caminho da justiça.

     »A quarta qualidade: o que realmente importa no lápis não é a madeira ou a sua forma exterior, mas o grafite que está dentro. Portanto, presta sempre atenção aquilo que acontece dentro de ti.

 

     »Finalmente, a quinta qualidade do lápis:ele deixa sempre uma marca. Da mesma maneira, compreende que tudo o que tu fizeres na vida vai deixar traços, por isso tenta ser consciente de todas as tuas acções."

Paulo Coelho

 

«Há uma linha de Verlaine de nunca mais me lembrarei.

Há um espelho que já me viu pela última vez.

Há uma porta fechada até ao final dos tempos.

Entre os livros da minha biblioteca

Há algum que já não tornarei a abrir.»

Jorge Luis Borges

publicado por Quem ontem fui já hoje em mim não vive às 01:55

4 comentários:
Muito bom, e sim, senti algo ao lê-lo...mas nem tudo é tão fácil como parece.e por vezes ultrapassar certas vivências não é nadaaaaaaaa fácil!!...a ver vamos como tudo se vai desenrolar...
Luiz Louza a 17 de Junho de 2009 às 02:33

Sim é um bom poema sim adoro poemas reflechivos.
Sanilo CDs a 14 de Fevereiro de 2012 às 23:48

Sim é um bom poema sim adoro poemas reflechivos.
Sanilo CDs a 14 de Fevereiro de 2012 às 23:50

eu gosto muito de textos reflexivo que nos faz pensar diferente e viver diferente
Ana Maria Protázio a 13 de Janeiro de 2014 às 20:05

Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

29
30


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

5 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

As minhas Imagens favoritas
blogs SAPO