"Pedras no caminho? Guardo-as todas, um dia vou construir um castelo... " Fernando Pessoa

08
Jul 19

Na vasta planície da minha solidão, a vontade de ouvir outra coisa que não o silêncio, é como a miragem de um oásis. Ela existe, mas já me acostumei a vaguear sozinha pelo cosmos da minha existência. 

Comigo trago perguntas, trago tristezas, trago lágrimas. Trago saudade...saudade de casa. Porque aqui tudo é tão estranho. Há quem veja beleza na tristeza, e quem deboche do amor próprio. Talvez, quem sabe, eu aqui seja só um corpo cansado, pesado, à procura de uma copa verdejante de uma árvore, neste deserto imenso. 

Talvez o que procuro é me deitar nesse solo cheio de raízes, e olhar para as nuvens, depois para as estrelas que já padeceram, para depois deixar o meu olhar se prender nos planetas desconhecidos. 

Talvez tenha que voltar à raiz, e dela crescer; talvez deva perceber que procuro saber mais sobre o infinito, sem saber por onde começar. 

É difícil. Ás vezes quero contemplar em silêncio, outras vezes danço sem parar por dentro. 

A cada passo que dei para me afastar deste plano, deixei um pouco de inocência e ingenuidade em cada esquina, e em cada lágrima desapareceu um pouco da alegria e da curiosidade pelo desconhecido. Porque quis ser cientista sem perder a fé. Mas não encontrei certezas, e é cada vez mais difícil acreditar de olhos fechados...e até de olhos abertos.

Tem dias em que só quero fechar os olhos e lembrar-me do que já aprendi. Tem dias em que é difícil ter coragem e vontade de abrir os olhos para seguir rumo ao Horizonte. 

Após os pequenos momentos de desassossego e solidão, lembro-me que depois de chover aparecerá um novo arco-íris. Mas porque não me basta contemplar? Sinto que tenho alma de pássaro. Gostava de aproveitar o momento, mas sinto que tenho que partir. O meu passo segue a um ritmo de tristeza, só, em silêncio e em dúvida. Mas não posso olhar para trás. Posso lembrar, mas o viver reside ali no horizonte, e eu quero percorrer todas as cores do arco-íris, até que este vazio seja passado, e ao chegar à cor purpura, aquela última cor do arco-íris, que esta seja um recomeço com um passo mais feliz, no caminho que me leva de volta a casa.

 

 

publicado por Quem ontem fui já hoje em mim não vive às 21:02

Julho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

5 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Twitter
As minhas Imagens favoritas
blogs SAPO